terça-feira, 13 de agosto de 2013

Versos dos túmulos


Dedicado a Roberta Affonso
e a todos os que sonham
com as brumas de Avalon

Os seguintes "Versos dos túmulos" são parte integrante do Livro Negro de Carmarthen, documento galês do século XIII que registra mitos do folclore celta. Traduzi para o português a partir desta versão em inglês. O original galês está aqui. Desde já deixo claro que minha tradução é livre, inexata e descompromissada. Pelo que apurei, a Wikipedia (ela própria uma fonte nunca muito exata) aponta outras versões, de Thomas Jones e Ernest Rhys e, como pude perceber, os versos parecem não bater com a versão utilizada aqui. Não faz mal: não temos pretensões acadêmicas. Deixemos o rigor para os pesquisadores. Mais informações sobre o Livro Negro, em português, aqui.

Quem seguir na leitura dos versos -que são algo como uma lista, um rol, dos herois celtas e seus lugares de repouso- verá que alguns personagens do ciclo arturiano são citados. Na estrofe oitava, Gwalchmai, aka Sir Gawain, na décima segunda, Bedwyr, aka Sir Bedevere, e, na quadragésima quarta, Rei Arthur em pessoa. É dito que seu local de repouso, se é que existe, é desconhecido pela humanidade. É que se acreditava que Arthur ainda vive e, oportunamente, voltaria para salvar seu povo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...