quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Hemingway, pescadores- e heroísmo


Eu acho que o "heroi ideal" -nas artes em geral, do cinema aos quadrinhos- é aquele com o qual nos identificamos. Na arte queremos ver a sublimação da vida, e é fundamental para isso que haja um mínimo que seja de identidade com a vida aqui fora; sem verossimilhança, não se cumpre esse papel. Não é abrir mão da fantasia (até pelo contrário): mas sim que possamos nos identificar com a fantasia. A vida real é feia, muito feia, sofre-se e chora-se, comemos o pão que o diabo amassou; se o heroi na tela (ou nas páginas do livro, dos comics etc.) não passam por isso, não é possível que nos identifiquemos com ele. O Homem-Aranha é popular por ser um heroi que tem dificuldades para pagar contas (além do nerd inseguro que Peter Parker é, no filme de Sam Remi), assim como, em outra dimensão do mito heroico, Arjuna é humano por ter dúvidas- o Bhagavad Gita é a história de Krishna convencendo-o a ser engajar em combate. E Heitor de Troia na Ilíada: não é o implacável e invencível Aquiles o personagem principal, apesar de mais famoso. E sim Heitor, que mesmo pressentindo a morte, tomado de preocupação pela mulher e filho, combate na linha de frente; porque a defesa da pátria é o certo. Heitor que mesmo valoroso também sente medo e foge mas que, no momento fatal, encara a morte de peito aberto; isso é ser humano, ser gente como a gente. O filme Troia, com Eric Bana como Heitor, mostrou um pouco disso, mas obviamente muito aquém da Ilíada.

Dentro dessa ótica, um dos personagens mais humanos que conheço da literatura é o pescador de "O Velho e o Mar", de Ernest Hemingway. A velhice por si só é uma coisa comovente, ainda mais se tratando de um idoso pescador curtido pelo sol; e sob uma maré de azar, ainda por cima. Dias e dias sem uma pesca exitosa, convertendo-se aos poucos na chacota da aldeia. Mas o velho não se entrega: cada dia de tentativa pode ser o dia da vitória.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

O Império contra-ataca


Observemos os últimos acontecimentos. Não precisamos voltar muito no tempo nem ir muito longe: agora mesmo, aqui do lado, a violenta reintegração de posse do terreno do Pinheirinho e a investida contra os viciados na Cracolândia, ambos episódios no estado de São Paulo. Num caso, famílias que ocupavam o dito terreno há anos, no outro, verdadeiros farrapos humanos, destruídos física e moralmente. Ambos problemas sociais (por trás a economia e as relações materiais, que como ensinou Marx são a base de tudo), ambos tratados à base da porrada. Problemas "resolvidos" via batalhão de choque, gás lacrimogêneo, cassetete, cavalaria, dedo na cara e prisões.

Há surpresa nisso? Não, nem é novo. O autoritarismo é da essência do Estado (falamos disso aqui). A polícia é o braço armado do Estado, e tendo o Estado um caráter de classe, a polícia -seu braço armado- serve para atender a esses interesses de classe. Já que não poderia ser diferente, não deveríamos nos chocar (mas acho que não podemos nunca perder a capacidade de nos chocar) com a violência policial do PSDB de Alckmin; o que realmente choca, o que causa espanto, é ver que essa violência policial tem sido aplaudida por muitos setores da sociedade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...