segunda-feira, 25 de março de 2013

O ocaso do Orkut


Leio -mas já tinha percebido há muito- sobre a falência do Orkut, essa outrora grande rede social. A web é pródiga em modismos; os usuários pulam de novidade em novidade, sempre atrás da "próxima grande coisa". O Twitter estava na crista da onda há pouco, por exemplo, hoje vejo que está meio "devagar". O Facebook -que mereceu até filme incensado pela mídia- não fugirá à regra. Eu, como qualquer pessoa, não estou imune ao apelo universal da "novidade", mas tento manter uma visão crítica e, na medida do possível, contramajoritária. Afinal as unanimidades são burras e as novidades são apostas do mercado- não podemos ser títeres disso.

O Orkut -que, claro, também foi uma aposta do mercado, o gigante controverso Google- ainda mantém sua atração para mim. Abri meu perfil em 2005, e desde então fui usuário "fiel". Os atrativos eram muitos: não apenas a possibilidade de travar contato com pessoas não apenas do Brasil como do mundo inteiro, como também a riqueza na diversidade de suas comunidades de discussão. Esse era definitivamente o maior atrativo para mim. Não posso lembrar, evidentemente, a quantidade e teor de todos os debates "virtuais" dos quais participei, mas há reminiscências que não perdem a força.

Lembro por exemplo dos motivos que me levaram a criar minha comunidade em homenagem a Patrice Lumumba. O mártir -é a melhor palavra para definir Lumumba- congolês já tinha há tempos minha admiração. Foi com alegria, portanto, que encontrei uma comunidade sobre ele, à qual prontamente aderi. Porém: para o meu desprazer, a comunidade era dominada por um tipo peculiar de sectários do movimento negro que se referiam a mim como "homem branco" (sic), a ponto de serem chamados por outro membro, algo exagerado mas não de todo, de "Ku Klux Klan negra". Não compreendiam que não se combate um racismo com outro; a lição de Bobby Seale é, ainda, atual como nunca. Diante do festival de intolerância, optei por criar minha própria comunidade dedicada a Lumumba, fazendo questão de consignar que, para ser membro, basta a afinidade com a luta antiimperialista e socialista. Cor é mero detalhe. Não pude deixar de sentir uma certa satisfação quando notei, tempos depois, que a minha comunidade já tinha MAIS participantes que a comunidade antiga.

Outro debate relevante tive na comunidade "Sufismo". Não sou crente em nada em especial -e meus dois últimos posts falam justamente disso- mas sempre tive interesse pelo tema religioso, se não em sua dimensão teológica, em seus aspectos culturais, históricos e literários. Com o Islã não seria diferente; principalmente a heresia sufi me atrai. Heresia? Não para os fundamentalistas, que interpretam o sufismo e o Islã através de óculos míopes: se apropriam do sufismo e fazem dele uma ortodoxia. É verdade que, por não ser crente e adotar os preconceitos "ocidentalizados", como fui acusado -como se eu não tivesse lido o "Orientalismo" de Edward Said- eu enxergaria as coisas "de fora". Mas o Islã e o sufismo que me foram apresentados na dita comunidade eram dignos do Talibã. E o Islã não precisa ser isso: há as correntes liberais, que compreendem não só a historicidade como a plurivocidade do Corão. Infelizmente me deparei com pouquíssimos "moderados" nas comunidades virtuais do Orkut. Por outro lado, talvez o único espaço para os fundamentalistas seja mesmo os fóruns de debates virtuais, com sua desnecessidade de mobilização concreta. Como quer que seja, já falei de fundamentalismo, notadamente islâmico, aqui e aqui, e me reporto a esses posts.

Também me lembro das discussões jurídicas, principalmente na comunidade de Direito Constitucional (a nova, pois a anterior fora tomada por trolls). Tentei recuperar alguns debates, mas não consegui; não sei se deletaram os tópicos ou se utilizava algum perfil já excluído (estou falando de coisas de anos atrás). Mas me lembro que eram debates produtivos, de relativa profundidade, na medida em que isso seja possível em fóruns de discussão. Havia muito pedantismo, claro, os "luminares" sempre prontos para mostrar erudição e rebaixar os oponentes. Tento não adentrar esse equívoco. Além de não me pretender "luminar" em nada, minha própria profissão, a Advocacia, com a estrutura dialética processual "pólo ativo x pólo passivo", faz com que obrigatoriamente não só ouçamos como respeitemos o "lado de lá". Principalmente porque, para mim, a postura agressiva, irascível, em um debate, demonstra apenas a própria insegurança do debatedor. Quer mascarar suas deficiências com a retórica agressiva. Mas nós, para quem cara feia (inclusive virtual) é fome, não nos impressionamos com isso. Ah! Além dos "luminares", os valentões virtuais. Mas toda essa fauna é inevitável e, em certa medida, divertida.

Não posso deixar de citar também as comunidades de teor marxista, inúmeras, bem como as puramente lúdicas, como as de zen e hai kai onde fazíamos (fazem ainda?) hai kais de forma colaborativa. A eterna (de coração) "Prisioneiros da Matrix" que deu origem à "Diálogos Virtuais". Haja história- desde 2005, como dito.

A web é, como se vê, nada mais que uma ferramenta; com ela podemos fazer coisas boas ou -é um truísmo- más, tudo dependendo de nós. Ela não faz do homem pior ou melhor, apenas abre espaço para que expressemos esse lado pior ou melhor nosso. Não se pode temê-la, portanto, mesmo porque seria um medo em vão: é um processo inexorável. Liberdade de expressão, uso de imagem, direitos autorais, privacidade, são assuntos na ordem do dia e não se pode fazer como o avestruz e fingir que nada está acontecendo. Admirável mundo novo, de fato, admirável sem ironia.

Continuarei no Orkut. Por nostalgia e, quem sabe, ainda recupera o fôlego. Ademais o Facebook ainda fica aquém no quesito fóruns de discussão. Continuo considerando os finados fóruns em formato phpBB MUITO superiores ao Orkut (falei disso aqui) mas, justamente por estarem finados, há que seguir em frente.

5 comentários:

AF Sturt Silva disse...

Eu também acho que no aspecto "espaços de debate", o facebook não evolui em nada diante do orkut.

No entanto acabei abandonando o orkut.

Nando disse...

Otimo post primo, deixo aqui tambem minha opiniao sobre o tema:"modismo" a palavra perfeita que se encaixa nesse contexto, quando a grande massa passa a migrar de uma rede para outra, acaba deixando-a cheia de informações fúteis, cabe a cada pessoa fazer o filtro dessas informações, mas na realidade é que o grande sucesso das redes é proveniente desse modismo ou grande massa, imagine uma rede social onde nenhum dos seus amigos esteja? para alguns ela perderia o seu sentido,eu particularmente uso sim para o laser e para fazer alguns trabalhos, o facebook realmente não evoluiu a nível de informações postadas, mas os recursos informáticos aplicados a este foram um avanço sim! tanto é que as pessoas deixaram o orkut por causa dessa brincadeirinha de curtir e compartilhar, e novas redes virão após lançamento de recursos novos , pois a informática evolui de forma absurda a palavra chave do sucesso e a inovacão, o orkut já está ultrapassado querendo ou não, embora eu gostasse mais dele, pois quando se lê as famosas e ignoradas "politicas de privacidade" do facebook descobre é coisa viu? o facebook pode "vender" as informações que voce posta na rede para uso de terceiros, ou seja tudo que voce publica na rede pode ser visto sem que voce tenha o consentimento disso (que diga se passagem ninguem ou a minoria ler estas politicas antes de se cadastrar), fora os famosos cookies ate onde vai a privacidade do usuario com o uso dessa ferramenta? o facebook da um jeito de estar te rastreando mesmo quando voce esta deslogado do mesmo. E quando se tentar excluir o seu perfil da rede? e eles alegam la que seu perfil ficara guardado em um banco de dados com uma finalidade de usa-los quando voce decidir voltar a usar. Isso pra mim e uma falta de etica muito grande voce acaba se tornando escravo por apenas utilizar um servico, e claro que o que eu falo nao tera consequencias absurdas, mas sao fatos que estao la e as pessoas nao enxergam. E vc acha que o facebook passa por cima da etica?

safira disse...

"Sufismo herético"...você é esperto !!@
Somos amigos, salam ?

rodrigodoo disse...


Tejo,

eu também sou órfão do orkut, é impossível comparar as comunidades do orkut com o feed do facebook, onde a discussão some dez minutos depois de você escreve. Eu até tentei voltar pro orkut um tempo atrás, mas infelizmente as comunidades se esvaziaram completamente.

O caso do sufismo é bem interessante mesmo, o sufismo foi visto com desconfiança, que levou até à cruficicação do Al-Hallaj, entre outras coisas, e agora me aparecem esses salafistas (aqui no Rio controlam as instituições muçulmanas) pra reclamar a "ortodoxia" dos sufis!

Willian Alves de Almeida disse...

Rodrigo, qual era seu perfil no orkut? Não lembro de você na KMB antiga.

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...