segunda-feira, 23 de maio de 2011

O horror, o horror


É um truísmo, mas o ser humano é contraditório. Um masoquista, por exemplo: sentir prazer onde os demais sentiriam dor é no mínimo inusitado. Gostar de rúcula é outra coisa que não entendo, idem torcer para o Botafogo ou para o São Paulo (não, não é bullying, HC). Não faço aqui nenhum juízo de valor: apenas constato o quanto, dentro de toda sua complexidade, o ser humano nos surpreende, fugindo do usual. Aliás, caso faça um juízo de valor, será justamente para expressar minha satisfação, minha alegria, com todo esse pluralismo. É bom que haja masoquistas: é bom que haja pessoas que tirem prazer de onde outras não tirariam. Se todos gostassem de rúcula, que seria da alface?

Filmes de terror se inserem nesse contexto. Reparem: terror. Você vai ao cinema ou aluga o DVD (ou compra no pirata) para sentir...terror. Não é para suspirar apaixonadamente nem para gargalhar, muito menos para refletir sobre a vida; e sim para sentir medo.

Mas isso não é incrível?

Tenho uma teoria a respeito. Claro que sem nenhum rigor científico: não sou psicólogo nem antropólogo. Acho que a vida civilizada, cada vez mais facilitada pelo imenso incremento da tecnologia, "amaciou" o ser humano, dando-lhe um estilo de vida modorrento e calmo. Contudo, nas profundezas do id, sentimos falta dos tempos imemoriais quando lutávamos pela sobrevivência. Isto é, a civilização nos tirou a emoção, e vamos buscá-la no entretenimento. Esportes radicais e saltos de paraquedas são a mesma coisa. É querer vivenciar emoções que não temos na nossa vida cotidiana. Idem para o futebol: impossível, e falo como entusiasta do esporte, não ver na disputa uma batalha em miniatura, os "exércitos" nas arquibancadas com seus estandartes e gritos de guerra. O homem civilizado guarda em si o selvagem, mesmo que simbolicamente.

Eu mesmo gosto de filmes de terror. Não os sanguinolentos, com tripas e vísceras voando pela tela, mas os inteligentes, onde o terror está mais no insinuado do que no efetivamente mostrado. "O grito" ("The grudge", 2004) é muito bom, por exemplo. Um dos melhores filmes de fantasma que assisti, talvez mesmo melhor que o original japonês, que achei um tanto arrastado. O cinema de terror oriental, aliás, produziu muita coisa boa trazida para o Ocidente, como "O chamado" ("The ring", 2002), também uma refilmagem, e o tailandês "Espirítos- a morte está ao seu lado" ("Shutter", 2004).

Mas a melhor cena de terror que já assisti, até hoje, está em "Exorcista- o início" ("Exorcist: the beginning", 2004). O filme em si não é grande coisa, e a maioria das críticas da mídia especializada foi negativa, mas essa cena é de arrepiar. Refiro-me à tentativa de exorcismo feita pelos sacerdotes tribais no menino supostamente possuído, num hospital de campanha. O modo como entram sorrateiramente no quarto, paramentados: o visual de feiticeiro africano típico (típico no nosso imaginário, pelo menos), com ossos pendurados e pinturas tribais. As cantigas e o transe durante o ritual, num ritmo que acelera mais e mais, cada vez mais vertiginoso. E a reação do menino possuído (na verdade, a possessão estava se realizando em outra pessoa, mas não vou estragar a surpresa de quem ainda não assistiu), olhos revirados e tremedeira, enquanto as luzes falham e tudo começa a tremer. O ritual não para, os cânticos mais frenéticos, os sacerdotes dispostos a sacrificar o menino possuído para livrar o local do demônio lá instalado, tudo treme, as luzes falham intermitentemente, o menino se contorce. E os feiticeiros africanos, suas pinturas tribais assustadoras, concentrados num transe ritualístico. Luzes falhando, tudo tremendo, o menino possuído em convulsões, e o Diabo então mostra sua força, repelindo -de forma grotesca, sangrenta- os feiticeiros, sua velha magia africana ancestral impotente para consumar o exorcismo. Assistam a cena e digam se não é pavorosa.

Claro, a vida aqui fora também é repleta de terror. Como o sentido por Van Gogh, o surto de loucura durante uma sessão de pintura no campo, em um dia de ventania. E como aquele terror sofrido pela Oposição de Esquerda soviética, perseguida (até a eliminação física) dentro e fora da Rússia pela burocracia stalinista. Essa é a vida real e não é nada cor-de-rosa, amigo. Mas ainda assim procuramos o terror no cinema: é nossa busca por emoções fortes. É humano.

O sobrenatural me interessa, portanto. Já sangue jorrando gratuitamente, não, a não ser que de forma bem encaixada na cena. Curiosamente, achei que "O albergue" ("Hostel", 2005) seria desse tipo de terror nojento, daí minha recusa em assisti-lo na época do lançamento. Mas para minha surpresa, há uma boa história aí- influência de Quentin Tarantino, como se sabe. O que não quer dizer que toda a violência mostrada no filme não seja realmente exagerada.

Queria continuar o post, mas acabou de dar meia-noite. Além disso, estou ouvindo um barulho estranho no corredor e tenho que ver o que é...

5 comentários:

Breno Corrêa disse...

A julgar pelo futebol apresentado pelo Fluminense no último jogo do Brasileirão, masoquismo é ser tricolor das laranjeiras.

"... a civilização nos tirou a emoção, e vamos buscá-la no entretenimento" Faz bastante sentido.

Ultimamente estou sem paciência pra assistir filmes, diferentemente de você, rs.

pensesobre disse...

Li dia desses no twitter da @revistamad: "Desde criança que gosto d filmes de HORROR! Comecei vendo os da Xuxa."

Vanna disse...

Torcer pelo Fogão é uma emoção. rsrsrs
Querido, assim como vc não gosto do terro sanguinolento, somente os sobrenaturais, mas mesmo assim esses d possessão ... rs Gostei muito d Os outros, A vila. Em se tratando d filme, gosto mesmo d rir e d sonhar. Nada contra refletir mas...
Bjs

Marli Savelli de Campos disse...

‘O Exorcista’ é um filme que não tive coragem de assistir, e com tudo isso que você detalhou, agora é que não vejo mesmo /rs/. Mas acho que, com o tempo, a gente vai mudando de gostos e preferências, já gostei bastante de filmes com cenas fortes, embora ainda assista, sou eclética, assim como para música, assisto de tudo (o que eu espero é que as cenas não sejam tão previsíveis). Na época gostei muito do INSTINTO, com Anthony Hopkins, mas confesso que valeria a pena assistir novamente para sentir qual seria minha reação hoje. Grande abraço,

Breno Corrêa disse...

Mais uma sessão de masoquismo nesse domingo, 12 de junho de 2011.

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...